A ARTE DA VIDA

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

RETALHOS DO PARÁ -UMA AVENTURA

Conhecer o Pará meu estado querido, sempre foi um desafio, que a partir deste final de semana começamos a por em prática!Eu e o meu companheiro, Augusto.


Tenho ultimamente buscado alternativas para um estado depressivo, ainda suave, mas que me deixa absolutamente frustrada, considerando a pessoa ativa que sou a maior parte do tempo.
Não deixá-la me dominar, reagir a ela, buscar formas de me dar prazer é o antídoto que uso contra ela.


Então vamos ao meu mais novo projeto, conhecer o  Pará, seus 144 municípios,  no ano de 2011. Se considerarmos que temos no ano aproximadamente  48 semanas, precisarei conhecer a cada final de semana 3 municípios e neles fotografar o que achei de mais interessante e um pouco de pesquisa sobre cada um deles!


Retalhos- porque são partes desta realidade chamada estado e porque amo tecidos, então os vejo como partes de uma grande colcha de retalhos..Uma aventura pois não sei ainda como viabilizarei a chegada aos municípios mais  distantes, mas estou de partida.


E vamos lá amigos, me acompanhar nesta aventura.



Pará é uma das 27 unidades federativas do Brasil. É o segundo maior estado do país com uma extensão de 1.247.689,515 km², pouco maior que Angola, dividido em 144 municípios (com a criação de Mojuí dos Campos), está situado no centro da região norte e tem como limites o Suriname e o Amapá a norte, o oceano Atlântico a nordeste, o Maranhão a leste, Tocantins a sudeste, Mato Grosso a sul, o Amazonas a oeste e Roraima e a Guiana a noroeste.
O estado é o mais populoso da região norte, contando com uma população de 7.321.493 habitantes. Sua capital, Belém, reúne em sua região metropolitana cerca de 2,1 milhões habitantes, sendo a maior população metropolitana da região Norte.[5]Outras cidades importantes do estado são, AbaetetubaAltamiraAnanindeua,BarcarenaCastanhalItaitubaMarabáParauapebas,RedençãoSantarém e Tucuruí. O relevo é baixo e plano; 58% do território se encontra abaixo dos 200 metros. As altitudes superiores a 500 metros estão nas serras de Carajás, Caximbo e Acari.
Os rios principais são, rio Amazonasrio Tapajósrio Tocantinsrio Xingurio Jari e rio Pará.


O Estado esta dividido em 12 regiões de integração, para facilitar a governabilidade dos serviços públicos estaduais, como a seguir:

Nível 01 
01. Região Metropolitana (5 municípios)
02. Região Guamá (18 municípios)
03. Região Caeté (15 municípios) 
Nível 02 
04. Região Araguaia (15 municípios)
05. Região Carajás (12 municípios)
06. Região Tocantins (11 municípios)
07. Região Baixo Amazonas (12 municípios) 
Nível 03 
08. Região Lago de Tucuruí (7 municípios)
09. Região Rio Capim (16 municípios)
10. Região Xingu (11 municípios) 
Nível 04 
11. Região Marajó (15 municípios)
12. Região Tapajós (6 municípios) 

Decidimos começar aleatoriamente  pela Região Guamá, a mais próxima da Região Metropolitana de Belém, onde moramos visitando os  municípios de Terra Alta, Curuça e Marapanim.
Todos esses municípios são ligados a Castanhal- Muncípio pólo da região, através de  Rodovias Estaduais  asfaltadas. 


Para chegar lá saimos de Belém pela BR-316 até a cidade de Castanhal e seguimos pela PA-136.


Antes de chegarmos a Castanhal, passamos pelos Municípios de Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Izabel.


Paramos em Benevides, inicialmente na floricultura da MIKa, uma japonesinha elétrica, que tem coisas lindas em sua floricultura e logo em seguida fomos para o  café da manhã na Doceria Sta Lúcia, de onde seguimos para Castanhal e os municípios  que visitamos, sempre com muita chuva, como é peculiar neste período no Pará.







TERRA ALTA  
Município com apenas 20 anos de criação, tem uma população de 10.000 habitantes.
É uma cidade privilegiada por seus igarapés de água mineral.É um verdadeiro paraíso para quem quer sair do sufoco da cidade e buscar tranquilidade. Terra Alta é um ótimo refugio para os que curtem a natureza!
Sua economia é voltada para a prestação de serviços e produção agrícola, comercializada com o município pólo da região - Castanhal, do qual dista 40 Km.



CURUÇA
Quanto a real fundação, a cidade de Curuçá em decorrência da Provisão Regia de 23 de setembro de 1652 foi  sancionada pelo então Rei de Portugal D. João IV, isto em pleno  século XVII, portanto a quase 370 anos. 

A 28 de maio de 1653, os padres jesuítas Mateus Delgado e Manoel de Souza receberam como missão do padre Antonio Vieira a incumbência de levarem a cruz, a fé e o evangelho às já existentes 135 aldeias catalogadas pelo bispado do Pará, entre as quais se incluia a aldeia de Curuçá.


Vale ressaltar que a principio a povoação localizou-se no Abade, depois que fora transferida para o local onde atualmente se encontra a cidade, isto é para que ficasse mais protegida a aldeia contra as investidas dos colonos que seqüestravam os indios da aldeia passando por cima da autoridade dos missionários que administravam a missão.


Sua elevação à categoria de vila deu-se em 1757, por Dom Francisco Xavier de Mendonca Furtado (Governador e Capitão General do Pará, e irmão do Marques de Pombal) no dia 03 de Julho do mesmo ano com o nome de Vila Nova de El Rey, por sua Excelência Desembargador Ouvidor Geral; E foi extinta em 1833 e restabelecida somente em 1850 através da Resolução Governamental n°167 de 21 de novembro daquele ano, com o primitivo nome de Vila de Curuçá. 


A Vila de Curuçá só foi emancipada politicamente com a elevação à categoria de cidade pela Lei n° 236 de 14 de maio de 1895, ato do então Governador Dr. Lauro Benjamim Sodré, esta foi a primeira grande conquista de Curuçá.



A segunda maior conquista do Município de Curuçá, nos últimos tempos foi a criação da Reserva Extrativista Marinha “Mãe Grande” (a fim de conscientizar a população a preservar o manguezal e as especies habitantes do mesmo) por ato do Governo Federal, pelo Presidente da Republica Fernando Henrique Cardoso.

A base econômica do estado esta assentada na pesca e na agricultura.
O extrativismo de pescado e frutos do mar é a principal atividade econômica do município de Curuçá, a pesca artesanal é responsável pela captura de toneladas de peixes de varias espécies, que além de garantir o próprio consumo, Curuçá ainda ajuda a abastecer outras cidades do nordeste paraense e feiras livres de Belém.

A vila de São João do Abade, esta entre os importantes terminais pesqueiros do estado, aqui funciona uma das principais Indústrias de pescado do Pará, a empresa exporta peixes beneficiados para a Europa e os Estados Unidos da América.

Curuçá também figura como um dos principais produtores de mariscos e frutos do mar, do município saem diariamente toneladas de carangueijo e mexilhão.

Aqui se encontram uma espace exótica de mexilhão que da na areia, o sururu, o turú e ostra, alimentos afrodisíacas que são encontrados no mangue.

Este setor atender a população no mercado municipal, o pescado também através da indústria é exportado para algumas cidades do Pará, como a capital Belém, castanhal e ainda para outros paises como os Estados Unidos da América e regiões européias.

O município de Curuçá, através do pescado e a indústria pesqueira em crescimento, emprega uma parte considerável da população.

Hoje o Município tem uma população de 30.000 habitantes.
                                                  Praça Bosque no centro de Curuça
                                               Prefeitura Muniiipal de Curuça
                                              Quiosque na praça de Curuça
                                                     Vista da Cidade e da Igreja Matriz 
                                    Área de Preservação Ambiental do Município
                                                          Igreja Matriz do Séc XIX
                                                        Ruínas do Primeiro Trapiche-1953



MARAPANIM
O território do município, localizado na zona fisiográfica do Salgado, pertencera, remotamente, à fazenda Bom Intento, fundada pelos Jesuítas em fins do século XVIII.

Com  uma estória intensa  de integração e desmembramento de municípios como Curuça, Vigia e São caetano de Odivelas, obteve finalmente foros de Cidade em 1895. Em 1931 foi novamente desmembrado de  Curuça.

Em divisão territorial datada de final de 1988, o município aparece constituído de 4 distritos: Marapamin, Marudá, Matapiquara e Monte Alegre do Maú.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.



                                              Pórtico de entrada do Município de Marapanim
                                                             Igreja Matriz de Marapanim
                                                           Salão anexo a Igreja Matriz
                                                              Orla Marítima de Marapanim
                                               Ruínas de prédios históricos de Marapanim
                                                           Casarios do Sec.XIX
                                                        Prefeitura Municipal de Marapanim
                                                         MARUDA -Distrito de Marapanim

                                                           Vista para o mar - Oceano Atlântico-Marudá
                                                        Pousada Toa Toa em Marudá
                                                              Detalhes da Pousada
                                                  Casa modernas no Distrito de Marudá
                                          Vista das barraquinhas na orla do Distrito de Marudá
                                                                     Orla Marítima de Marudá





Um comentário:

Azevedo Dias disse...

Adorei rever Curuçá. Que vontade de tomar um banho de chuva....